Submissões

O cadastro no sistema e posterior acesso, por meio de login e senha, são obrigatórios para a submissão de trabalhos, bem como para acompanhar o processo editorial em curso. Acesso em uma conta existente ou Registrar uma nova conta.

Condições para submissão

Como parte do processo de submissão, os autores são obrigados a verificar a conformidade da submissão em relação a todos os itens listados a seguir. As submissões que não estiverem de acordo com as normas serão devolvidas aos autores.
  • A contribuição é original e inédita, e não está sendo avaliada para publicação por outra revista; caso contrário, deve-se justificar em "Comentários ao editor".
  • O arquivo da submissão está em formato Microsoft Word, OpenOffice ou RTF.
  • URLs para as referências foram informadas quando possível.
  • O texto está em espaço simples; usa uma fonte de 12-pontos; emprega itálico em vez de sublinhado (exceto em endereços URL); as figuras e tabelas estão inseridas no texto, não no final do documento na forma de anexos.
  • O texto segue os padrões de estilo e requisitos bibliográficos descritos em Diretrizes para Autores, na página Sobre a Revista.

Diretrizes para Autores

A Revista Fipecafi de Contabilidade, Controladoria e Finanças (RFCC) publica artigos inéditos, previamente submetidos para revisão de admissão (desk review) e posterior avaliação de dois a três pareceristas por sistema duplo cego (blind review). Artigos inéditos são os não publicados ou enviados a outro periódico.  Trabalhos apresentados em anais de eventos científicos, como congressos, seminários, simpósios são considerados inéditos. Se esse for o caso, os autores devem informar ao editor os dados do evento em que o trabalho foi apresentado.

A RFCC não cobra taxas para submissão e publicação de pesquisas.

Os artigos devem seguir primeiramente as diretrizes para autores e, complementarmente, as normas vigentes da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para citações, referências e apresentações de trabalhos acadêmicos e  sob pena de reprovação das submissões que não estejam de acordo com as referidas diretrizes e normas.

Trabalhos que contenham tabelas, quadros ou figuras devem estar em formato que permita a edição. Quando tabelas, quadros ou figuras forem importadas de outros programas, como Excel, Power Point etc., deve ser enviado também o arquivo de origem como Arquivo Complementar.

Tabelas, quadros, gráficos e notas de rodapé devem limitar-se a ilustrar conteúdo substantivo do texto. Notas devem ser devidamente numeradas e constarem no pé da página.

Os artigos devem ser submetidos pelo sistema de editoração eletrônico da Revista em três arquivos: 1) artigo sem a identificação do(s) autor(es) para garantir avaliação anônima; 2) folha de identificação com o(s) nome(s) do(s) autor(es), instituição de vínculo, estado e país, e-mail, foto 3 x 4 colorida com boa resolução e mini-currículo com até 10 linhas; 3) sumário executivo da pesquisa. Antes da submissão todos os autores devem estar cadastrados na Revista.

O Sumário Executivo da Pesquisa deve ser escrito com até duas páginas com a seguinte estrutura e conteúdo: Título do artigo em caixa alta, negrito e centralizado; 1) a Descrição sintética do problema e da solução/conclusão; 2) Impacto na prática das organizações públicas, privadas ou do terceiro setor, conforme o caso, com a caracterização mais detalhada possível; e, Referências se o autor fizer citação no conteúdo do sumário.

São aceitos até 5 (cinco) autores por trabalho.

Os artigos podem ser escritos em português ou em inglês, com no máximo 12 páginas, incluindo tabelas, figuras, notas, referências, anexos e apêndices. Casos excepcionais de artigos com mais de 12 páginas serão avaliados quanto a pertinência, pelo editor.

A numeração da página do artigo deve estar no canto superior direito, digitada em editor de texto Word for Windows.

Tamanho do papel formato A4 (210 x 297 mm).

Fonte: Arial tamanho 12.

Espaço entre linhas: 1,0 cm.

Entrada de parágrafo: 1,25.

Margens: superior 3cm, inferior 2cm, esquerda 3cm, direita 2cm.

Tabelas e figuras em fonte: Arial, tamanho 10.

Anexos e apêndices devem ser apresentados após a lista de referências.

O TÍTULO deve ser sintético e representativo do objeto/problema ou resultado da pesquisa e dever ser escrito em letra maiúscula, negrito, centralizado, em português e em inglês.

O RESUMO deve ser escrito em português com até 300 palavras, espaço simples entre linhas, parágrafo único, com o seguinte conteúdo: objetivo, método, resultado, conclusão e aplicação à realidade das organizações públicas, privadas ou do terceiro setor, conforme o caso.  No caso de artigos conceituais, não empíricos, deve-se adaptar o resumo ao tratado no conteúdo do estudo. Após o resumo, devem ser escritas de três a cinco palavras-chave.

O resumo, as palavras-chave e o título de artigos escritos em português devem ser escritos na língua inglesa.

Adotamos a estrutura clássica de um artigo, se empírico: 1) INTRODUÇÃO, 2) REFERENCIAL TEÓRICO, 3) MÉTODO E TÉCNICA DE PESQUISA, 4) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS E DISCUSSÃO, 5) CONCLUSÃO, REFERÊNCIAS, APÊNDICE E ANEXO (estes dois últimos optativos). Porém, adicionalmente à estrutura clássica de artigos empíricos, poderão ser feitos ajustes, que serão objeto de apreciação dos avaliadores, de acordo com os seguintes tipos de estudos que priorizamos: I. Artigos de revisão da literatura de pesquisa aplicada; II. Artigos tecnológicos; III. Artigos de estudos de campo; IV. Artigos de casos de ensino; V. Artigos empírico-analíticos; VI. Artigos conceituais voltados à aplicação prática. Além desses tipos, outros poderão ser publicados desde de que demonstrem a aplicação à realidade das organizações públicas, privadas ou do terceiro setor.

I. Artigos de revisão da literatura de pesquisa aplicada. Com os artigos de revisão da literatura a Revista abre espaço para publicação de revisões que indiquem o potencial de aplicação dos resultados de pesquisas nos negócios e sugestões de novas pesquisas. Por exemplo, esses artigos podem indicar variáveis e indicadores para os quais se tenha obtido mais evidências científicas favoráveis ou evidências empíricas desfavoráveis, assim como indicar questões que precisam ser investigadas. Esse é um tipo de artigo extremamente importante, mas que precisa de adequada compreensão da sua verdadeira característica, o qual vai muito além do que um resumo de pesquisas publicadas, conforme Volpato (2012), disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=TB0wP6Jebfc.

II. Artigos tecnológicos. Os artigos tecnológicos são caracterizados por estudos que visem à solução de problemas ou melhorias e inovações de processos empresariais, ou seja, é uma “[...] produção com ênfase profissional [...] deve ter abordagem predominante na solução de problemas e, por isso, sua audiência é formada por, além de professores e pesquisadores, praticantes – no nosso caso, principalmente, Gestores” (MOTTA, 2017, p. 1)[1]. Mesmo com ênfase profissional, “Espera-se que as alternativas sejam fundamentadas em bases teóricas e que a análise seja descrita de forma objetiva, indicando as etapas e os passos percorridos para chegar à construção da proposta.” (ANPAD, 2017, p. 7)[2]. Os artigos tecnológicos também foram chamados de relatos técnicos no estudo de Aquino, Cortese e Shibao (2019). Pela sua ênfase profissional, tais artigos podem surgir, por exemplo, de consultorias, de auditorias, de perícias, de assessorias, dentre outras.

[1]     MOTTA, G. da S. Como escrever um bom artigo tecnológico? Revista Contemporânea de Administração. RAC, Rio de Janeiro, v. 21, n. 5, Setembro/Outubro, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rac/v21n5/1415-6555-rac-21-05-00004.pdf. Acesso em 30/09/2019.

[2]     ANPAD – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Diretrizes para publicação na Revista de Administração Contemporânea, 2017. Disponível em: http://www.anpad.org.br/periodicos/Diretrizes-para-Publicacao_2017.pdf. Acesso em 11/09/2019.

III. Artigos de estudos de campo. Os estudos de campo em contabilidade, conforme levantamento de Merchant e Stede (2006)[1], predominam em tópicos de contabilidade gerencial, com contribuições sobre o entendimento de tais tópicos e da relação do conhecimento gerado nas pesquisas com a prática profissional. Entre os artigos do tipo estudo de campo predomina a estratégia de estudo de caso que ocorrem em unidades de análise bem caracterizadas e cujo estudo traga conhecimentos relevantes. Como exemplos de unidades de análise, temos: empresa, setor, área de conhecimento, ente público, processo entre outros, que relate aplicações bem-sucedidas na gestão de negócios, públicos ou privados, e cujos resultados possam ser utilizados ou sirvam de referência para outros negócios, ou ainda, que descrevam em detalhes os fatos de tal forma que possam ser do interesse da comunidade acadêmica e profissional, uma vez que o tais estudos se referem a fatos em contextos reais que realizam investigações com alto grau de detalhamento e com a possibilidade de elevado nível de profundidade.

[1]     MERCHANT, K. A.; STEDE, W. A. V. D. Field-Based Research in Accounting: Accomplishments and Prospects. Behavioral Research in Accounting. Vol. 18, nº. 1, pp. 117-134, 2006.

IV. Artigos de casos de ensino. Com os artigos do tipo casos de ensino a Revista abre espaço para publicação de experiências que sejam úteis para fins didáticos no processo de ensino, algo que pode contribuir com a melhor formação de profissionais da contabilidade, de negócios e gestores, o que é relevante, tendo em vista a necessidade crescente de educação continuada e de aproximação entre academia e mercado. De acordo com a Anpad (2017, p. 7) [1], esse tipo de artigo “[...] deve descrever uma situação em exame, fornecer informações e propor questões para reflexão, com o objetivo de analisar decisões tomadas [...] e proporcionar oportunidade para aprimorar processos de ensino [...].”

[1]     ANPAD – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Diretrizes para publicação na Revista de Administração Contemporânea, 2017. Disponível em: http://www.anpad.org.br/periodicos/Diretrizes-para-Publicacao_2017.pdf. Acesso em 11/09/2019.

V. Artigos empírico-analíticos. De forma ampla, os estudos empírico-analíticos podem ser caracterizados como estudos da relação entre variáveis envolvendo modelos analíticos e testes de hipóteses com dados da realidade (empíricos). Ou seja, esses estudos envolvem a modelagem do relacionamento entre as variáveis de interesse, caracterização teórica dessas variáveis, formulação de questões e hipóteses de pesquisas, coleta de dados, utilização de técnicas de análise de dados para testes das hipóteses e conclusão da solução das questões formuladas. (SMITH 2011, P. 43-52)[1]. Conforme já mencionado, esse tipo de artigo é comum nas pesquisas em contabilidade financeira e em finanças, em temas como: relação entre informações contábeis e preço das ações, gerenciamento de resultados, qualidade da informação contábil, eficiência de mercado, estimativas de analistas, entre outros.

[1]     SMITH, Malcolm. Research Methods in Accounting, 2ª ed. London: SAGE Publications Ltd, 2011.

VI. Artigos conceituais voltados à aplicação prática.  Com os estudos conceituais voltados à aplicação prática a Revista abre espaço para publicar artigos nas formas de: caracterização ou análise de conceitos ou de técnicas, modelos conceituais, modelos analíticos e ensaios teóricos sobre temas voltados à aplicação prática.

Critérios de Avaliação

1) Relevância do objeto de estudo para a realidade de organizações publicas, privadas ou do terceiro setor.

2) Caracterização do problema, do objetivo e da hipótese (quando tiver hipótese).

3) Qualidade dos conceitos e da fundamentação teórica.

4) Adequação e explicitação da estratégia e das técnicas de pesquisa (quando empírica).

5) Aplicação das estratégias e técnicas de pesquisa (quando empírica).

6) Alinhamento entre objetivo, resultado e conclusão.

7) Qualidade do texto e cumprimento das normas de apresentação do trabalho.

8) Contribuição(ões) à realidade de organizações públicas, privadas ou do terceiro setor.

Evolução Tecnológica, Educação e Inovação em Negócios, Contabilidade e Gestão

A política é divulgar conhecimentos em temas como: impacto da tecnologia na pratica contábil e na gestão; perfil profissional; novas competências profissionais; educação continuada; educação e tecnologia; práticas inovadoras de contabilidade e gestão; contabilidade e gestão de empresas de base tecnológica (startups), aspectos teóricos como o surgimento de novos elementos contábeis e aspectos metodológicos como a mensuração de tais elementos; contabilidade e novas tecnologias (blockchain, big data, análise de dados, armazenamento em nuvem, inteligência artificial entre outras).

Controladoria e Contabilidade Gerencial

A política é divulgar conhecimentos em temas como: controladoria de empresas privadas; controladoria de organizações governamentais; modelos de controladoria; papel do controller; controladoria e desempenho; balance scorecard; gestão baseada em valor; orçamento empresarial; custos, gestão estratégica de custos; custeio baseado em atividades; informação contábil e tomada de decisão; entre outros.

Contabilidade Financeira, Auditoria e Tributação

A política é divulgar conhecimentos em temas como: reporte financeiro; análise fundamentalista; informação contábil no mercado de capitais; governança corporativa; auditoria; normas de contabilidade, nacionais e internacionais; regulação da contabilidade; accountability; compliance; contabilidade tributária; planejamento tributário, entre outros.

Contabilidade Governamental e Terceiro Setor

A política é divulgar conhecimentos em temas como: nova administração pública e contabilidade governamental; adoção das normas internacionais de contabilidade pública (IPSAS); políticas públicas; transparência e accountability pública; orçamento público; finanças públicas; contabilidade do terceiro setor; custos no setor público; sistema de informação de custos no setor público, entre outros.

Finanças, Mercado de Capitais e Atuária

A política é divulgar conhecimentos em temas como: modelos de finanças aplicados; análise de investimentos; estimativas de analistas; avaliação de empresas; avaliação de risco; investimentos; financiamentos; finanças corporativas; instrumentos financeiros; estrutura de capital; custo de capital etc.; atuária e contabilidade de seguradoras e entidades previdenciárias, demografia e saúde, previdência social, políticas públicas nas áreas de previdência, saúde e seguros.

Política de Privacidade

Os nomes e endereços informados nesta revista serão usados exclusivamente para os serviços prestados por esta publicação, não sendo disponibilizados para outras finalidades ou a terceiros.