Revista Fipecafi de Contabilidade, Controladoria e Finanças (RFCC) https://ojs.fipecafi.org/index.php/RevFipecafiCCF <p>A Revista Fipecafi de Contabilidade, Controladoria e Finanças, <strong>ISSN: 2763-7069,</strong> tem como missão divulgar conhecimentos científico e tecnológico das áreas de contabilidade, controladoria, administração, finanças, atuária e áreas afins, aplicados à realidade de organizações públicas, privadas e do terceiro setor.</p> <p>Google Acadêmico: <a href="https://scholar.google.com.br/citations?hl=pt-BR&amp;user=J4kiRG0AAAAJ">https://scholar.google.com.br/citations?hl=pt-BR&amp;user=J4kiRG0AAAAJ</a></p> pt-BR manoel.farias@fipecafi.org (Manoel Raimundo Santana Farias) fabiola.silva@fipecafi.org (Fabíola Ferreira da Silva) Mon, 31 Jan 2022 17:49:28 -0300 OJS 3.3.0.10 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Editorial v2.n1, 2021. https://ojs.fipecafi.org/index.php/RevFipecafiCCF/article/view/42 <p>Nesta edição, em continuidade ao cumprimento da sua missão de divulgar conhecimentos científico e tecnológico das áreas de contabilidade, administração, finanças, atuária e afins, aplicados à realidade de organizações públicas, privadas e do terceiro setor, a RFCC publica quatro artigos sobre: relatório de auditoria; correção monetária no período pós convergência ao padrão IFRS; agenda socioeconômica e ambiental; e, impacto da nova prática de arrendamento nos indicadores financeiros de empresas do varejo, conforme especificado a seguir.</p> <p>No artigo “FATORES PREDITIVOS DO TIPO DE RELATÓRIO DE AUDITORIA INDEPENDENTE”, Ana Claudia Pimentel e Samuel de Oliveira Durso investigaram os fatores determinantes para a divulgação de relatório com opinião modificada pelos auditores independentes. Analistas de mercados, empresas de auditoria, pesquisadores e estudantes de contabilidade estão entre os principais grupos que podem se beneficiar dos resultados obtidos nesse estudo.</p> <p>No artigo “EFEITOS DA NÃO CORREÇÃO MONETÁRIA NAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS NO PÓS CONVERGÊNCIA AO PADRÃO IFRS”, Vinicius Felix da Silva e Mara Jane Contrera Malacrida verificaram as diferenças significativas entre os indicadores de endividamento, rentabilidade e o valor do imobilizado de empresas, calculados com valores nominais e corrigidos, de diferentes setores econômicos no cenário pós convergência às normas internacionais de contabilidade. Por impactar a qualidade da informação contábil, os resultados do estudo podem ser úteis na análise e tomada de decisão, principalmente, de investidores, credores e analistas, mas também de gestores interessados nos efeitos da inflação nas informações financeiras.</p> <p>No artigo “OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E LAUDATO SI NA AGENDA SÓCIOECONÔMICA E AMBIENTAL DA ATUALIDADE”, Caio Odack Silva e José Roberto Kassai analisaram as contribuições singulares e as relações entre as agendas socioeconômica e ambiental da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Carta Encíclica Laudato Si do Vaticano. O tema do desenvolvimento sustentável em si é relevante, mas as discussões levantadas no texto, mesmo de caráter mais filosófico, contribuem para importantes reflexões e que podem afetar as decisões dos agentes políticos e econômicos, por exemplo, a discussão da perspectiva objetiva (externa ao sujeito), com a necessidade de “mudanças externas para a construção de um mundo melhor para as próximas gerações [...]”; e a discussão da perspectiva subjetiva (interna ao sujeito) com a necessidade “[...] de mudanças internas dos indivíduos.”</p> <p>No artigo “IMPACTO DA NOVA PRÁTICA CONTÁBIL DE ARRENDAMENTO NOS INDICADORES FINANCEIROS DE EMPRESAS DO VAREJO NO BRASIL”, Evaldo de Souza Silva e Jorge Andrade Costa verificaram como a nova prática contábil de arrendamento por meio da adoção do CPC 06 R2 afetou os indicadores financeiros das empresas abertas de varejo no Brasil. O estudo obteve evidências de mudança significativa nos índices de liquidez geral, EBITDA, índices de endividamento e imobilização. Principalmente usuários externos da contabilidade, como investidores, credores e analistas podem se beneficiar dos resultados do estudo.</p> <p><strong>Boa leitura!</strong></p> Manoel Farias Copyright (c) 2022 Revista Fipecafi de Contabilidade, Controladoria e Finanças (RFCC) https://ojs.fipecafi.org/index.php/RevFipecafiCCF/article/view/42 Mon, 31 Jan 2022 00:00:00 -0300 FATORES PREDITIVOS DO TIPO DE RELATÓRIO DE AUDITORIA INDEPENDENTE https://ojs.fipecafi.org/index.php/RevFipecafiCCF/article/view/13 <p>A pesquisa objetivou identificar os fatores determinantes para a divulgação de um relatório com opinião modificada pelos auditores independentes. A fundamentação teórica do estudo centrou-se na relação de agência existente entre as empresas e os donos do capital, o que, em parte, justifica a necessidade do controle externo exercido pelos auditores independentes. Para responder a questão de pesquisa traçada pelo estudo, foram utilizadas 18 variáveis relacionadas a indicadores econômico-financeiros, de desempenho e de atuação de 748 entidades listadas no ranking da revista Melhores e Maiores do ano de 2016, primeiro exercício social com vigência da NBC TA 700. Do total de empresas da amostra, 10,7% apresentaram relatório com opinião modificada no referido período (com ressalva, opinião adversa ou abstenção de opinião). O método de análise de dados contou com a aplicação de regressões logísticas individuais para cada uma das variáveis analisadas. Os resultados da pesquisa evidenciam que nove variáveis abordadas pelo estudo foram, individualmente, estatisticamente significativas para a previsão da divulgação de um relatório com modificação de opinião pelos auditores independentes. Algumas dessas variáveis convergem para a evidência de que empresas maiores possuem menor probabilidade de apresentar um relatório com modificação de opinião pelos auditores independentes. Também foi possível identificar que quanto melhor a saúde econômicofinanceira, mais provável será a apresentação de um relatório limpo pela auditoria. Os resultados da pesquisa estão em linha com evidências anteriores apresentadas pela literatura nacional e internacional e mostram-se úteis para analistas de mercados, empresas de auditoria e para pesquisadores, ao evidenciar fatores que ajudam a entender o resultado dos trabalhos executados pelos auditores independentes.<br /><strong>PALAVRAS-CHAVE:</strong> Auditoria Independente, Relatório de Auditoria, Indicadores<br />Contábeis.</p> Ana Claudia Pimentel, Samuel de Oliveira Durso Copyright (c) 2022 Revista Fipecafi de Contabilidade, Controladoria e Finanças (RFCC) https://ojs.fipecafi.org/index.php/RevFipecafiCCF/article/view/13 Mon, 31 Jan 2022 00:00:00 -0300 EFEITOS DA NÃO CORREÇÃO MONETÁRIA NAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS NO PÓS CONVERGÊNCIA AO PADRÃO IFRS https://ojs.fipecafi.org/index.php/RevFipecafiCCF/article/view/28 <p>Este estudo teve como objetivo verificar se existem diferenças significativas entre os indicadores de endividamento, rentabilidade e o valor do imobilizado de empresas, calculados com valores nominais e corrigidos, de diferentes setores econômicos no cenário pós convergência às normas internacionais de contabilidade. Para tanto, foram analisadas 229 empresas de capital aberto listadas na B3, no período de 2007 a 2018, incluídas na base de dados mantida pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (FIPECAFI). Foram analisados os efeitos da correção monetária em relação ao setor econômico de atuação das empresas e a evolução anual das diferenças entre os indicadores por meio dos testes de médias. Os resultados evidenciaram a existência de diferenças significativas para todas as variáveis de estudo, com exceção do indicador de rentabilidade para o setor de Transportes, que não apresentou diferença significativa, e para o setor de Infraestrutura que teve resultado inconclusivo. Os resultados obtidos indicam que ocorreram prejuízos informacionais significativos nos 12 anos analisados para os usuários destas informações e também o quão complexo são os efeitos da inflação sobre as demonstrações financeiras das empresas, visto que quando essas diferenças são acompanhadas ano a ano, é possível observar que cada setor responde de maneira diferente aos seus efeitos, de modo que quanto maior o corte temporal analisado, maior é a tendência de discrepância entre dados nominais e corrigidos. Os resultados também evidenciam que itens não monetários são fortemente prejudicados pela não correção e que a adoção das normas internacionais de contabilidade não foi capaz de eliminar os efeitos da inflação.</p> <p><strong>PALAVRAS-CHAVE: </strong>Correção Monetária, Informações Contábeis, Inflação, Rentabilidade, Imobilizado.</p> Vinicius Felix da Silva, Mara Jane Contrera Malacrida Copyright (c) 2022 Revista Fipecafi de Contabilidade, Controladoria e Finanças (RFCC) https://ojs.fipecafi.org/index.php/RevFipecafiCCF/article/view/28 Mon, 31 Jan 2022 00:00:00 -0300 OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E LAUDATO SI NA AGENDA SÓCIOECONÔMICA E AMBIENTAL DA HUMANIDADE https://ojs.fipecafi.org/index.php/RevFipecafiCCF/article/view/29 <p>O objetivo deste estudo foi identificar as contribuições singulares e as relações entre as agendas socioeconômica e ambiental da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Carta Encíclica <em>Laudato Si</em> do Vaticano, se complementando para a realização dos objetivos a que se propõem. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de natureza exploratória e descritiva e baseia-se na suposição de que, embora elas tratem basicamente dos mesmos temas — como extrema pobreza, agricultura e alimentação, energia e água, saneamento, dentre outros —, uma pode complementar a outra com aspectos singulares. Esta investigação se justifica pela relevância do tema e pelas contribuições dessas agendas elaboradas por duas grandes entidades. Os resultados obtidos revelam o entendimento de que as duas agendas mundiais apresentam importantes singularidades em suas abordagens, mas que, consideradas as diferenças de posicionamento político e moral que os documentos possuem perante a sociedade, resulta-se a existência de uma concordância em relação à integralidade dos temas tratados. Por fim, conclui-se que enquanto a agenda da ONU tem por objetivo promover mudanças externas para a construção de um mundo melhor para as próximas gerações, a agenda do Vaticano mostra que também é necessária a promoção de mudanças internas dos indivíduos, com base em novos conceitos de felicidade que atinjam e preencham os corações e sentimentos.</p> <p><strong>PALAVRAS CHAVES</strong>: Sustentabilidade. 17 ODS. Encíclica <em>Laudato Si</em>.</p> Caio Oldack Silva, Prof. Dr. José Roberto Kassai Copyright (c) 2022 Revista Fipecafi de Contabilidade, Controladoria e Finanças (RFCC) https://ojs.fipecafi.org/index.php/RevFipecafiCCF/article/view/29 Mon, 31 Jan 2022 00:00:00 -0300 IMPACTO DA NOVA PRÁTICA CONTÁBIL DE ARRENDAMENTO NOS INDICADORES FINANCEIROS DE EMPRESAS DO VAREJO NO BRASIL https://ojs.fipecafi.org/index.php/RevFipecafiCCF/article/view/32 <p>Este estudo teve como objetivo verificar como a nova prática contábil de arrendamento por meio da adoção do CPC 06 R2 afetou os indicadores financeiros das empresas abertas de varejo no Brasil, com ações negociadas na B3 (Brasil, Bolsa, Balcão). A nova norma entrou em vigor em 1º de janeiro de 2019 e trouxe uma nova forma de reconhecimento contábil de arrendamentos, pois todos os contratos de arrendamento do ponto de vista dos arrendatários passaram a ser evidenciados no balanço patrimonial como um ativo de direito de uso e um passivo de arrendamento correspondente, diferenciando-se do pronunciamento anterior em que havia a contabilização sistemática do arrendamento operacional em conta de despesa conforme a competência contábil. O setor escolhido para a pesquisa foi o de varejo, pois ele se utiliza de diversas lojas físicas e centros de distribuição. Os aluguéis, de uma forma geral, passaram a se enquadrar nas novas definições de arrendamento dispostas na nova norma. Para apurar o impacto dessa alteração foi feito um levantamento das demonstrações contábeis das 11 maiores empresas do setor varejista e foram calculados os principais indicadores financeiros tais como os índices de liquidez, endividamento e o EBITDA, antes e após a adoção da nova norma. Os resultados obtidos foram submetidos a um teste estatístico de médias não paramétrico, o teste de Wilcoxon. Com base nas evidências obtidas foi possível afirmar que houve mudança significativa nos índices de liquidez geral, EBITDA, índices de endividamento e imobilização, com possíveis reflexos, por exemplo, nos <em>covenants</em> dos contratos.</p> <p><strong>PALAVRAS-CHAVE: </strong>arrendamento, prática contábil, setor varejista, indicadores financeiros.</p> EVALDO DE SOUZA SILVA, JORGE ANDRADE COSTA Copyright (c) 2022 Revista Fipecafi de Contabilidade, Controladoria e Finanças (RFCC) https://ojs.fipecafi.org/index.php/RevFipecafiCCF/article/view/32 Mon, 31 Jan 2022 00:00:00 -0300